Conheça as novidades do clone do Google Airdrop

Google Airdrop

O Google vem trabalhando há algum tempo em um recurso para compartilhar arquivos de maneira sem fio para Android, bem-parecido com o Airdrop da Apple, inclusive ter o nome de Google Airdrop.

Mesmo ele ainda não estando disponível para teste, alguns funcionários da empresa já colocaram o sistema para funcionar, com uma versão inicial. 

Ele está disponível para alguns dispositivos, mas ainda inativo para o Google Play Service.

A ideia principal, é fazer uma versão do Google Airdrop como um clone, e que funcione tão bem quanto o original. 

O primeiro uso, deve ser feito clicando na opção “Menu” e depois “Compartilhar do Android”, e escolher qual a opção de “Compartilhamento próximo”.

Enquanto que os usuários que receberão os arquivos, recebem uma notificação, informando que existe um arquivo para ser recebido. 

Em seguida, ambos devem confirmar que desejam fazer a transferência. E com isso a configuração acontece via Bluetooth. Se a transferência for pesada, os dados podem ocorrer também via Wi-fi.

Google Airdrop

Confusão com o nome

Embora o nome divulgado tenha sido igual o da concorrente, é possível que isso ainda seja mudado. 

Já há uma versão como o XDA do Google Play Services, que deu o nome ao recurso de “Compartilhamento Próximo”, enquanto outros o chamam de “Compartilhamento rápido”.

Independente de qual seja o nome vinculado ao Play Services, isso significa que ele funcionará em qualquer versão do Android. 

Já o Google Play Services funciona em qualquer versão, sendo distribuído pelo Google Play Store.

Tenha a melhor internet com a Claro! Saiba mais aqui: https://clarocombomais.com.br!

Recurso anterior

Antes do Google Airdrop começar a ser desenvolvido, a empresa já tinha outro local de compartilhamento, chamado de “Android Beam”, mas que foi eliminado com a atualização do Android 10. 

Enquanto esse novo recurso de compartilhamento ainda usa Bluetooth, o Android Beam usava NFC, que era inconveniente por diversos motivos.

Antes o NFC exigia que os telefones fossem tocados em conjunto, e depois era preciso tocar os dois monitores de forma bem rápida, através de uma janela que abria bem rápido, e fechava em poucos segundos.

A necessidade de posicionar o telefone, era necessário, principalmente para tocar no visor. 

O que era bem difícil, principalmente se a fosse uma pessoa só realizando o processo todo. Outro problema dele era o uso do Bluetooth, que também é lento.

Novo recurso deve trazer mais praticidade

A criação do Google Airdrop deve tornar todo o processo de transferência de arquivos mais conveniente sim. 

Ao invés de precisar tocar em dois dispositivos, eles podem estar há uma certa distância um do outro. 

Sem contar que a é mais fácil transferir arquivos e compartilhar dados nas proximidades, usando o Wi-fi diretamente, que é muito mais rápido.

Alguns testes já foram feitos, e ao enviar um arquivo de imagem de 3,5 GB, a demora foi um pouco maior do que dois minutos. 

Sendo assim a interface de usuário do Windows Sharing, mostra, notificações em forma de pop-up, de uma maneira bem mais relaxada e confiável.

O que precisava de aprovação com relação aos dispositivos, ainda está em fase de testes, mas será difícil que essa ideia não vá para o mercado.

Quando ao Airdrop da Apple

Esse recurso para usuários do iOS já existe há uns oito anos, e o Google tenta há muito tempo adicionar esse recurso para Android. 

Provavelmente a hesitação aconteceu devido ao fato de poder prejudicar o próprio serviço de nuvem da empresa.

É válido lembrar que empresa do Google já possui diversos recursos de nuvem e maneiras de compartilhamento de fotos, como o Google Fotos, o Google +, entre vários outros.

O impulso que o Google teve agora para desenvolver esse novo recurso, tornou insustentável toda a filosofia de internet, que já existe em todos os países que possuem estrutura rápida, onipresente e confiável, que são os serviços de nuvem.

O primeiro grande produto importante como o Google Airdrop que a empresa veio a incluir nesse mesmo patamar de compartilhamento foi o Android Go, para smartphones, que foi bem mais barato, e o gerenciador de arquivos, o File Go.

Ambos apresentar compartilhamentos via Wi-fi, assim como o Google Airdrop, e funcionam de forma bem semelhante, como relação a proximidade dos aparelhos. 

O compartilhamento local deve ser fornecido como se fosse um recurso básico para todos esses aplicativos, e estão disponíveis agora através da Play Store.

Google Airdrop

Conclusão

É importante dizer que houve uma demanda para que o Google Airdrop fosse criado. 

Empresas como o Oppo, a Xiaomi, e a Vivo, colaboraram muito para que esse recurso fosse desenvolvido para a transferência de arquivos locais.

A Samsung também vem trabalhando já em um recurso parecido com esse, que terá o nome de “Quick Share”. 

Deve ser estreado no Galaxy S20. Porém a força do Google Airdrop tende a ser maior, já ele controla todo ecossistema que envolve o sistema operacional Android.

Leave your reply